A arquitetura de Frank Gehry

5 de maio de 2020
Frank Gehry é um dos arquitetos que mais tem demonstrado inovação, criatividade e vanguardismo. Ele está posicionado entre os melhores artistas dos últimos tempos.

Certamente você conhece algumas das novas tendências artísticas que estão ocorrendo nos últimos tempos. Um caso específico é a arquitetura de Frank Gehry, um criador capaz de levantar construções com base em projetos muito originais.

A arte contemporânea ainda não atingiu o seu limite. Os parâmetros que governam esse tipo de obra não são fixos e chegam a tocar a abstração. Não é necessário o uso de formas tradicionais, nem que formatos básicos sejam estabelecidos.

Na verdade, o artista contemporâneo tem a possibilidade de dar liberdade à sua imaginação e de buscar novas formas de expressão, utilizando estruturas completamente inovadoras para se diferenciar dos outros arquitetos. Essa concepção foi comprovada ao longo do século XX.

Quem é Frank Gehry?

A arquitetura de Frank Gehry

Lou Ruvo Center for Brain Health / wikipedia.org

Nascido em Toronto (Canadá) em 1929, esse arquiteto se consagrou entre os maiores arquitetos da história por causa dos seus designs. Ele se formou em arquitetura pela Universidade do Sul da Califórnia, embora também tenha tido outros períodos de formação em Harvard e em Paris.

Durante a sua passagem pela França, ele pôde contemplar e estudar as obras de Le Corbusier, sendo esta a sua grande fonte de inspiração, além do próprio planejamento urbano da capital francesa, onde ele pôde entrar em contato com outros artistas em meados do século XX.

A sua trajetória como arquiteto mostra as boas qualidades que ele oferece para o mundo da arte, já que as suas produções são completamente inovadoras. Nova York é a cidade onde ele realizará algumas das criações mais importantes de sua carreira.

Existem muitas razões para não se repetir. Por isso, a inovação me parece algo natural.

– Frank Gehry –

Características fundamentais da sua arquitetura

A arquitetura de Frank Gehry

Casa dançante / elcomercio.pe

As obras deste arquiteto são diferentes entre si. Não existe uma fórmula que se repita entre elas, mas há uma essência que as identifica claramente. A seguir, veremos algumas das características particulares que são intrínsecas na maioria dos seus designs.

  • O principal conceito que devemos levar em consideração é o planejamento do trabalho de Frank Gehry. Ele considera que os edifícios são como esculturas que podem ser moldadas, daí a plasticidade de suas obras.
  • Em todos os momentos, a funcionalidade da construção é considerada: a que se destina e qual a sua finalidade em relação ao homem. Basicamente, ele manterá uma ideia que Le Corbusier também usava: a estreita relação entre função e estética.
  • Jogo de volumes: através das diferentes estruturas, é possível distinguir as partes, que possuem formas e designs totalmente vanguardistas. Dessa maneira, podemos determinar a originalidade das formas.
  • Quanto aos projetos propostos, Gehry tenta reunir designs geométricos para construir o edifício. No entanto, ele não permitirá que as formas sejam definidas explicitamente, mas irá alterá-las e lhes dará uma mudança estética, para torná-las a sua marca registrada.

Algumas semelhanças nas suas obras

Vinícola-Hotel Marqués de Riscal

Vinícola-Hotel Marqués de Riscal / elcomercio. pe

Um paralelo muito importante é o que podemos encontrar, por exemplo, entre o Museu Guggenheim em Bilbao e a Vinícola-Hotel Marqués de Riscal em Elciego (Álava). Ambas as construções demonstram a personalidade e a determinação do arquiteto.

Talvez seja o primeiro monumento que reflete a abertura das formas em direção a uma divisão de módulos que tendem a uma geometria mais proeminente. No entanto, o segundo oferece uma estética em movimento, onde a plasticidade desempenha um papel muito importante. 

Não devemos nos esquecer de que o dinamismo é um componente indispensável em suas obras. Este é o caso dessas duas obras, da mesma forma que a distribuição dos formatos onde há uma desconstrução absoluta do sistema tradicional. 

A inovação e o vanguardismo estão presentes nos dois edifícios.

A arquitetura de Frank Gehry e o jogo de designs

Museu de Arte de Minneapolis

Museu de Arte de Minneapolis / alo.co

No fundo, os designs de Frank Gehry fogem da dinâmica conservadora. Ele abre novas estruturas que aparentemente geram movimento e outras direções para a arte. Um caso particular é o do Instituto de Tecnologia de Massachusetts.

Em resumo, ele sempre tenta brincar com as formas e refletir, através da arquitetura, a imaginação e a criatividade que ele tem em mente. Casos muito particulares são o Museu de Design Rhein e o Museu de Arte de Minneapolis.

  • Haag Bletter, Rosemarie: La arquitectura de Frank Gehry, Gustavo Gili, 1988.