5 regras de cores que todo adepto do design de interiores deve conhecer

31 de agosto de 2019
O design de interiores é uma tarefa complicada, especialmente quando se trata de escolher as cores a serem usadas. Para facilitar, explicaremos aqui quais são as 5 regras que você deve conhecer.

Um dos momentos mais complicados ao decorar um cômodo é escolher as diferentes cores. É aí que ficamos em dúvida sobre as que combinam melhor e a maior ou menor presença que elas deveriam ter. Para facilitar essa tarefa, explicaremos 5 regras de cores que todo adepto do design de interiores deve conhecer.

Você poderá comprovar que não é tão complicado assim escolher as cores certas e obter a aparência desejada. Para que isso possa ser feito, você só precisa levar em conta essas 5 regras de cor muito básicas, que serão muito simples de aplicar.

1. A regra 60-30-10: fundamental no design de interiores

Regras fundamentais no design de interiores

Como não poderia deixar de ser, começaremos com a regra 60-30-10. Este método é tão simples quanto eficaz. Na verdade, ele é o mais usado ao planejar o design de qualquer casa ou sala comercial. Se você ainda não o conhece, então nós explicaremos a seguir.

  • 60% da superfície será coberta com uma mesma cor. Este tom será o predominante e o protagonista do cômodo.
  • 30% serão cobertos por uma cor secundária.
  • Os últimos 10% restantes serão cobertos por um tom contrastante com os dois anteriores. Ele será o responsável por fornecer um toque diferente, fugindo assim da monotonia.

A cor escolhida para cobrir os 60% deve ser neutra. É necessário ter em mente que ela será a grande protagonista. Assim, uma cor muito chamativa contribuirá para criar um cômodo também muito chamativo. A menos que esse seja o efeito que pretendemos alcançar, o melhor a fazer é descartar essas cores.

Em relação à cor correspondente aos 30%, ela geralmente é a escolhida para móveis e têxteis. As cortinas, almofadas ou tapetes trarão um toque de cor que romperá com a hegemonia da cor predominante. De qualquer forma, estas devem ser duas cores bastante combináveis e que não se destaquem muito uma acima da outra.

Finalmente, a cor escolhida para os 10% deve se destacar. Ela é a responsável por trazer um toque de cor que rompa com as duas anteriores. É perfeita para objetos decorativos, tais como um quadro, uma luminária de arco, uma flor ou uma estatueta.

2. Cores opostas se atraem

Cores opostas se atraem

Em muitas ocasiões, ao pensar sobre o design de interiores, nos concentramos em uma série de cores muito semelhantes entre si. Isso é feito com a ideia de que elas combinem ao máximo e assim exista harmonia no espaço.

Em contraste, o efeito alcançado na maioria dos casos é totalmente diferente. Cômodos monótonos e entediantes que passam totalmente despercebidos.

Não é necessário ter medo de misturar cores diferentes que a priori não parecem combinar. Cores opostas se atraem e os resultados são espetaculares. Algumas das combinações de opostos mais atraentes são as seguintes:

3. Sensações transmitidas por cada cor

Sensações transmitidas por cada cor

Cores / luxdeco.com

O design de interiores também deve levar em conta quais são as sensações que pretendemos transmitir. Não devemos nos esquecer de que as cores dizem muitas coisas sobre o espaço em que estão localizadas. É por isso que é necessário saber qual escolher.

  • Branco: pureza, luz, amplitude, limpeza…
  • Preto: prestígio, luxo, distinção…
  • Amarelo: positividade, alegria, felicidade…
  • Rosa: calor, amor, romantismo…
  • Verde: relaxamento, frescor, naturalidade…
  • Azul: tranquilidade, harmonia, estabilidade…

4. Não fique obcecado em fazer tudo combinar

Não fique obcecado em fazer tudo combinar

Todos os adeptos do design de interiores canalizam os seus esforços para fazer com que o espaço pareça estético e atraente. Em muitos casos, procura-se alcançar um resultado tão perfeito que surge uma certa obsessão em fazer com que tudo combine.

Isso não é nada bom, pois deve haver elementos que quebrem a monotonia. Por tudo isso, o encorajamos a usar objetos antigos, reciclados ou de outros estilos decorativos. O resultado será muito mais real e agradável. Caso contrário, surgirá a sensação de viver em um espaço muito estético, mas pouco acolhedor para o dia a dia.

5. Estampas e texturas, as chaves do design de interiores

Estampas e texturas, chaves do design de interiores

Cabeceiras / claridecor.com

Até agora falamos sobre cores, mas o design de interiores vai muito além disso. Materiais, estampas e texturas são fundamentais na decoração de qualquer espaço. Através deles, podemos introduzir a mesma cor de diferentes maneiras. O resultado será muito mais dinâmico e menos monótono.

Por exemplo, a cor marrom pode ser usada através da madeira, de tons de ocre nas paredes e de um objeto de decoração feito de vime. Se aplicarmos este exemplo a todas as cores que introduzirmos no espaço, então o resultado será fantástico.