Decoração de vanguarda: um novo estilo para a casa

22 de setembro de 2018
O estilo decorativo de vanguarda é um estilo inovador e original. Com este estilo, você dará identidade, personalidade e simplicidade para a sua casa.

Às vezes, sentimos necessidade de modernizar a nossa casa e torná-la um espaço diferente, que seja moderno e com novos designs; é aqui onde a decoração de vanguarda pode vir a ser considerada um novo estilo para a casa.

As pessoas gostam de designs tradicionais, com formatos prototípicos que, no fundo, são bastante comuns. Por que não direcionar os caminhos da decoração para outros estilos mais originais e inovadores?

A arte de vanguarda teve um lugar importante durante o século XX. O seu conceito artístico também foi levado para o mundo do design de interiores; dessa forma, mostraremos o que é este estilo decorativo, assim como a sua aplicação na casa.

Design de interiores na decoração de vanguarda

Primeiramente, é preciso saber que tipo de design caracteriza este estilo artístico. Claro, ele pode ser encontrado no mobiliário. Ele falará por si mesmo e a simplicidade será a característica fundamental que predomina na decoração.

Tanto as cadeiras quanto os sofás e as mesas guardam linhas básicas e retas, muito diferentes das curvaturas encontradas no estilo modernista. Assim, a vanguarda não busca complexidade, mas sim facilitar a visualização da decoração.

Design de interiores

Ao mesmo tempo, a distribuição dos móveis é mais espaçosa, facilitando assim o trânsito entre eles e reduzindo a decoração a alguns elementos simples; isto é, sem sobrecarregar excessivamente, porém sem reduzir a estrutura a módulos básicos.

É importante deixar as paredes visíveis para que dessa forma a sua cor também contribua para a decoração. Além disso, deve haver harmonia entre as cores dos móveis com os tons das paredes.

– A simplicidade é o principal conceito no qual a decoração de vanguarda se baseia –

Combinação de cores

Um recurso muito interessante é decorar combinando as cores. Não é necessário sobrecarregar as salas cromaticamente, pois assim iríamos transformar a casa em uma explosão de cores que seria bastante desconfortável. É preferível usar duas ou três cores no máximo.

  • Preto e branco: é possível ter essas duas cores tanto nas paredes quanto nos móveis, tendo assim uma concordância cromática. O branco fica muito bem nas paredes contrastando com o preto em uma única parede.
  • Cores neutras: combinação de tons de marrom e cinza, branco e cinza, branco e marrom, etc. Qualquer uma dessas combinações é muito simples e, além disso, não há dúvida de que elas proporcionam embelezamento estético.
  • Branco e roxo: esta combinação funciona perfeitamente; na verdade, o roxo traz uma personalidade e intensidade que os tons neutros não alcançam.
  • Azul-escuro e cinza:  esse tom de azul traz seriedade e uma certa opacidade que contrasta com o cinza. Na verdade, é essencial que, se houver um tom mais escuro, é necessário que ele seja complementado por um mais claro que ofereça luminosidade.

Essas combinações são as mais comuns. Evidentemente, outras combinações cromáticas podem ser feitas; no entanto, esses quatro são os formatos que são mais comumente encontrados no mundo do design de interiores de vanguarda.

– A simplicidade também deve estar presente na combinação das cores –

Disposição dos elementos decorativos

Disposição de elementos decorativos

Quais elementos decorativos podem estar presentes neste estilo? Existem várias fórmulas; no entanto, vamos mostrar aqueles que ficam bem neste tipo de decoração e que são os mais comuns:

  • Luminárias: uma luminária suspensa com cúpula redonda suaviza a estética; fica muito bem se tiver um desenho piramidal. É importante que tenha uma relação cromática com as paredes e os móveis.
  • Quadros nas paredes: coloque apenas um por parede; o objetivo é que ele fique visível e que existam superfícies vazias. Quais estilos pictóricos são mais interessantes? Abstratos, paisagens, cubistas, expressionistas, etc.
  • Plantas: qualquer planta básica e simples proporciona frescor e a cor verde traz naturalidade ao ambiente.
  • Outros recursos: vasos, fotos, velas, televisão, etc. Além disso, qualquer um desses elementos deve ter padrões básicos, linhas simples e formas geométricas, gerando assim harmonia com o todo.

Luminosidade, indispensável neste estilo

É importante que haja luz natural no interior. As janelas grandes são essenciais para que dessa forma penetre a luz direta e realce mais as formas e destaque as cores.

De qualquer forma, também deve haver luz artificial, mas ela não deve ser tão direta a ponto de irradiar luz por todos os espaços. Assim, é preferível ter pequenos focos no teto ou uma luz central.

O objetivo principal é que haja uma luz tênue no cômodo, que gere um aspecto alternativo e descontraído. Dessa forma, trará conforto e tranquilidade ao ambiente, já que a luz é um recurso básico que não pode faltar nas casas.