Sistemas de irrigação automática para o jardim

18 de dezembro de 2018
Os sistemas de irrigação automática possuem uma tecnologia que garante a irrigação contínua das plantas, mesmo quando as pessoas não estão em casa. Descubra como eles funcionam.

Uma das necessidades básicas de todos os jardins é a irrigação. Embora muitos outros cuidados também sejam igualmente necessários para a sua manutenção, o fornecimento regular de água garante o crescimento saudável das plantas. Mas, o que são os sistemas de irrigação automática?

Muitas pessoas esquecem de regar as plantas quando deveriam, ou então gastam muito tempo para fazê-lo. Porém, graças aos sistemas de irrigação automática, este trabalho é simplificado e feito de uma forma mais otimizada. Este é um mecanismo que está se tornando cada vez mais popular, pois tem benefícios muito interessantes.

Ocorre que, graças à sua tecnologia, esta é a solução para garantir a irrigação sem ter que arrastar mangueiras ou gastar várias horas para isso. Tendo em vista que muitas pessoas ainda não os conhecem, queremos apresentar os seus aspectos mais relevantes a seguir.

Benefícios dos sistemas de irrigação automática

Benefícios dos sistemas de irrigação automática

O principal benefício dos sistemas de irrigação automática é que eles garantem a irrigação das plantas, mesmo quando você não estiver em casa. No entanto, além disso, eles também oferecem outras vantagens interessantes que vale a pena mencionar:

  • Economizam tempo, já que você não terá que fazer o trabalho manualmente.
  • Não será necessário usar mangueiras e outros elementos tradicionais de irrigação.
  • As torneiras abrem e fecham na hora programada por você.
  • Os seus acessórios complementares, como aspersores e difusores, ajudam a distribuir a água de uma forma mais uniforme, regando todo o local.
  • Funcionam com todos os tipos de “subsistemas”, incluindo irrigação por gotejamento, irrigação subterrânea, fitas de exsudação, entre outros.

Onde é recomendado instalar os sistemas de irrigação automática?

Considerando os benefícios dos sistemas de irrigação automática acima mencionados, podemos dizer que eles são aconselháveis para qualquer lugar. Desde jardins pequenos até grandes plantações, eles são uma ótima alternativa para uma manutenção otimizada de todas as plantas.

Agora, se estivermos falando de locais preferenciais, deve-se destacar que eles são os mais adequados para os jardins que têm muita grama. Se você quiser preservar essas áreas verdes, é preciso regá-las continuamente, principalmente durante o verão.

O que você deve levar em consideração antes de instalar um sistema de irrigação automática?

A primeira coisa que você deve levar em consideração antes de instalar qualquer um dos sistemas de irrigação automática é a superfície na qual você quer utilizá-lo. É essencial saber qual é o tipo de solo do seu espaço. Por exemplo, quanto mais argiloso ele for, mais água ele reterá.

Você deve saber a quantidade de água que cada espécie de planta precisa

Da mesma forma, é fundamental identificar as áreas do jardim onde é necessário algum controle da umidade. Uma informação indispensável é saber a quantidade de água que cada espécie de planta ou cultivo precisa. Um gramado, por exemplo, não tem as mesmas necessidades de uma árvore ou das flores.

Consequentemente, uma vez determinados esses fatores, você poderá escolher um kit de irrigação automática adaptado a eles. Assim, reúna as informações necessárias e peça assessoria nas lojas especializadas.

Componentes de um sistema de irrigação automática para o jardim

Programador ou controlador

Ele é o responsável por fazer toda a “magia” dos sistemas de irrigação automática acontecer. A sua principal função é abrir e fechar as válvulas solenoides nos horários indicados. Ele oferece a opção de programar em quais dias e horários a irrigação será feita.

Nota: no momento da instalação, é essencial considerar que a maioria dos programadores devem ficar protegidos da chuva; além disso eles precisam de uma tomada.

Válvulas solenoides e caixas

As válvulas solenoides são responsáveis por permitir ou bloquear a passagem da água, de acordo com o que for indicado pelo controlador. Por outro lado, há as caixas, geralmente de plástico, nas quais as válvulas solenoides são acopladas.

Válvulas solenoides e caixas

Registro

Embora este elemento não seja essencial na instalação do sistema de irrigação automática, ele é altamente recomendável. Pode ser colocado entre a entrada de água e a caixa de válvulas solenoides. Serve para regular a saída de água ou então fechá-la completamente se houver algum vazamento.

Cabos

Eles são usados para conectar o controlador às válvulas solenoides. Como não representam perigo, podem ser enterrados. No entanto, é essencial fornecer uma proteção dupla ou tripla para uma maior segurança.

Canos

Em média, são utilizados canos de 32 e 25 mm de diâmetro. Eles podem ser feitos de polietileno ou de PVC. Os primeiros são facilmente acoplados com seus respectivos acessórios, enquanto os de PVC devem ser colados com uma cola especial.

Regulador de pressão

É usado para a irrigação por gotejamento, já que esta é uma modalidade na qual é preciso reduzir a pressão. Existem tanto modelos complexos quanto mais simples.

Emissores de água

De acordo com as necessidades identificadas no jardim, é possível utilizar opções como:

  • Aspersores
  • Microaspersores
  • Fitas de exsudação
  • Difusores
  • Irrigação Subterrânea
  • Tubos de gotejamento

Em resumo, independentemente das necessidades e do tamanho do jardim, os sistemas de irrigação automática são uma ferramenta adequada para facilitar a sua manutenção. Eles podem ser instalados facilmente, são muito duráveis e têm vantagens muito interessantes.